O Centers for Disease Control and Prevention (CDC), uma agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos reponsável pela proteção da saúde pública e da segurança da população, manifestou recentemente a sua opinião sobre a importância que a tecnologia de blockchain pode ter para a saúde.

De acordo com Jim Nasr, principal arquiteto de software no Centro de Vigilância, Epidemiologia e Serviços de Laboratório do CDC, os registos distribuídos do blockchain podem ajudar os profissionais da saúde pública a responder mais rapidamente a uma crise.

De facto, os departamentos estaduais e locais de saúde e outras organizações devem partilhar rotineiramente dados de saúde pública com vista a controlar a propagação de uma série de doenças infecciosas. Esta partilha de informação reveste-se de enormes dificuldades de gestão de dados, às quais o blockchain poderá dar resposta. 

Nos últimos meses, Jim Nasr liderou uma equipa que desenvolveu diversas provas de conceito baseadas na tecnologia blockchain, com o objetivo de construir aplicações reais da mesma, como a gestão de dados durante uma pandemia ou o controlo do abuso de opiáceos.

“A saúde pública e o blockchain realmente foram feitos para funcionarem em conjunto”, considerou Nasr. “Movimentar dados de um ponto para outro de forma segura, compatível e transparente – o mais rápido possível – é uma parte fundamental do modelo de negócios”.

As “blockchain”, como aquelas que subjazem a Bitcoin e outras moedas digitais, são mantidas por redes de computadores – em vez de uma única autoridade confiável – que verificam cada transação e a registam de forma criptografada e praticamente incorruptível, sendo compartilhadas por todos os computadores da rede.

Fonte: MIT Technology Review